09 março 2014

Resenha: Garota Interrompida

Quando a realidade torna-se brutal demais para uma garota de 18 anos, ela é hospitalizada. O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Keysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era logo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma. Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é sanidade? Garotas interrompidas.
 Estados na guerra do Vietnã, nos anos de 1967. Este é o cenário de Garota Interrompida, onde Susanna Kaysen, escritora e protagonista, narra sua tentativa de suicídio aos dezoito anos.
Susanna toma 50 aspirinas para tentar se matar, vive questionando sua sanidade e com isso ela é internada "voluntariamente" por transtorno de personalidade.
Vemos então o dia-a-dia de quatro garotas em um hospital psiquiátrico que tentava a qualquer custo recuperar sua sanidade, mas que não tinham o mínimo de credibilidade por causa de seus dignósticos.
Susanna, Daisy, Lisa e Georgina são garotas consideradas inapropriadas para viverem em uma sociedade, encontram apoio uma nas outras e vivem uma história cheia de conflitos emocionais, físicos, tendo surtos - e simulando-os também - e tentando sua liberdade, seja pela fuga ou pela alta.
Com tratamentos diários que hoje seriam considerados inumanos, além dos medicamentos que as deixavam inabilitadas e dopadas, muitos dos outros pacientes da clínica eram como robôs sem qualquer vida, ou expressão.
Nesse mundo que tanto as prendem, as isolam de um mundo real, privando-as de sua liberdade, também as protegem da humanidade, de todo o vazio e solidão, tanto quanto responsabilidades que poderiam lhe oferecer.
Um histórico de uma internação psiquiátrica era prejudicial para o futuro profissional e para uma integração social, pois o mesmo as rotulavam e as impediam de viver uma vida normal.
É um livro pequeno de apenas 189 páginas e apesar de se tratar de uma história pesada, impactante e sensível, não é um livro difícil de ler, que exija muito de você, ou que te deixará triste. Pelo menos não comigo. De qualquer maneira, é difícil avaliar um livro autobiográfico. Não há como você julgar ou criticar a realidade de alguém.
Este livro certamente irá fazer você se refletir. Ele vai fazer você questionar suas escolhas e atitudes em alguns pontos, pois você verá como a Susanna tinha uma vida simples e normal, antes de tudo acontecer. A narração é feita em primeira pessoa, o que dá aquele toque mais pessoal. O livro não é muito detalhado, tem frases curtas, capítulos curtos e não dá tempo o suficiente pra você criar aquela ligação com os personagens.
A capa é muito bonita e bem chamativa, mas eu confesso que me deu aquela impressão muito "feminista", eu já vi certos preconceitos em relação à livros com capa rosa, achei um absurdo, mas existe. A diagramação, esse feito das letras transparentes na capa. Enfim, a capa e o livro foi bem trabalho. Margem, fonte, tudo.
O livro é muito realista e passa uma mensagem muito chocante.
 Garota Interrompida foi a inspiração para o filme onde Angelina Jolie ganhou um Óscar.
Minha fome, minha sede, minha solidão, o tédio e o medo, tudo isso era, sempre, uma arma apontada para meu inimigo, o mundo. 

2 comentários:

  1. Ainda não li o livro e nem vi a adaptação, mas tenho curiosidade, até porque o assunto tratado é muito sério e tenho interesse em conhecer mais.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Aline!
    Tenho vontade de ler faz algum tempo. Nunca tive a oportunidade de ler algo que trate desse assunto. Não sabia que o filme da Angelina era baseado nesse livro.

    Beijos,
    http://www.epilogosefinais.com/

    ResponderExcluir

Seu comentário nos deixará extremamente feliz, mas lembre-se: Tenha cuidado, as palavras tem poder.

- Não faça ofensas
- Não seja intolerante
- Não desrespeite a opinião alheia
- Se for divulgar, ao menos comente sobre o blog!

Não se esqueça de no final deixar o link do seu blog pra podermos retribuir, será um prazer.

Obrigada ♥
xoxo