11 setembro 2013

Resenha: As Intermitências da Morte

Aye aye, essa é a primeira vez que faço uma resenha aqui para o blog, portanto deem um desconto para o tio... Pensando bem, não deem desconto nenhum, podem me dar dicas e criticar a vontade, preciso disso mesmo.

Mas vamos lá.

As Intermitências da Morte
José Saramago
Companhia das Letras 
Orelha de Livro 

Coitada da morte. Existe alguém mais injustiçada que essa nobre algoz? Falamos mal, a desprezamos, a evitamos... Mas o que aconteceria se ela se ofendesse? Saramago nos conta as consequências na sociedade em um país sem nome, quando a morte pausa seus afazeres por tempo indeterminado. E no dia seguinte ninguém morreu... por mais lamentável que fosse o estado do moribundo, a alma se recusava a abandonar o corpo sem o leve empurrão de nossa cara amiga e sua gadanha.





José Saramago, o único Nobel da literatura da língua portuguesa, dispensa maiores apresentações. Basta dizermos que foi autor do já bem famoso "Ensaio Sobre a Cegueira" e de uma grande coletânea de obras igualmente excelentes.

"As Intermitências da Morte" é dividido em duas partes, embora a divisão não tenha sido formalmente postulada, já que nem os capítulos o são. Na primeira parte do livro a morte (sim, em minúsculo) resolve tirar uma folga e ver como as pessoas se saem sem ela. Temos o cenário construído, hospitais lotados, asilos abarrotados, maphias surgindo.

No meio do caos, acompanhamos tudo através de um overview, não há personagens por assim dizer. Vemos as ações, decisões e diálogos do primeiro ministro, do bispo, do presidente do sindicado das funerárias, e de outras áreas que foram afetadas direta ou indiretamente pelo ocorrido.

Saramago nos mostra de forma singular, com diálogos cortantes e lucidez já costumeiras em sua narrativa, as consequências na sociedade decorrente do fato de não haver mais morte... ou ao menos de ela ter se ausentado um pouco do seu posto para sempre maldito.

Na segunda parte do livro temos algo mais centrado no individual. Aqui temos personagens mais bem desenhados, sendo a própria morte o principal. Não há muito que se possa dizer sem nada da história contar, mas é nesse arco que assistimos à morte, e entendemos seu modo de pensar e de agir. Tal qual vemos, através de seus olhos, a curiosa condição humana, senhor de si, ainda que não o saiba, justamente pela morte ser quem é.

Por algum motivo, e aqui é um adendo extremamente pessoal, Saramago me parece uma versão bem mais sóbria do saudoso Douglas Adams. Esse "algum motivo" provavelmente são os diálogos cortantes, o sarcasmo,e a lucidez em revelações da condição humana e da sociedade que nos rodeia.

Porém, Saramago não tem uma escrita simples. Talvez por ser português, talvez por ser um intelectual, mas muito provavelmente pelos dois motivos, o fato é que há termos, expressões e palavras que não estão em nosso vocabulário comum. Não é algo que atrapalhe sobremaneira, e é até essencial para o estilo incomum que adotou. Todavia, isso, unido ao seu estilo de diálogo e narrativa incomuns, podem tornar a leitura cansativa. Mas é igualmente verdade que essa, tal qual as outras obras de nosso amigo lusófono, não é para se engolir, e sim para se degustar. Não tenha pressa de chegar ao fim, e saboreie cada frase. Assim, cada qual a seu tempo, creio que essa obra merece e deve ser apreciada por todos.

12 comentários:

  1. Gostei da resenha XD
    Parece ser um bom livro.
    Beijos.
    http://livroslidoserevirados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vlw Gabriel, o livro é muito bom sim, recomendo.

      Excluir
  2. Olá, é a primeira vez que venho aqui e gostei
    muito do blog de vcs. Muito organizado, simples e fofo.
    A ideia do livro é muito boa, não tem nem como dizer
    que as obras de Saramago é ruim ou sei lá o que. O problema
    comigo é que não consigo pegar para ler, não faz muito o meu
    estilo, adorei a resenha,
    bjs

    http://www.loveebookss.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, volte sempre :)

      Com relação à Saramago, ele realmente tem um estilo peculiar.
      Se não agora, recomendo que tente ler algo dele novamente daqui alguns anos, alguns livros são assim.

      Excluir
  3. Ótima resenha! Parece interessante o livro ;)
    Beijo
    http://agarotaeotempo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente interessante, recomendo fortemente.

      Excluir
  4. Eu conheço o autor de nome, mas nunca peguei nada dele para ler. Meu professor de Português vive dizendo que eu tenho que ler "Ensaio Sobre a Cegueira" já que eu gosto bastante de Livros de Distopia e tal, e apesar de ter muita curiosidade, eu acho os preços dos livros dele muito abusivos. Pretendo ler, mas acho que vou esperar baixar um pouco.
    Beijos,
    Yasmin
    deitadosnagrama.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os preços são realmente elevados. Digo que vale a pena, mas não deixa de ser caro.
      Com relação a esperar pode ser em vão, até George Orwell continua mais de R$ 40,00

      Excluir
  5. Acredita que nunca li nada do autor? Parei para ler a resenha pois o nome do livro me chamou muito a atenção. Fiquei muito interessada. Parabéns pela resenha.

    http://blogprefacio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo qualquer coisa do Saramago, é excelente.

      Excluir
  6. nossa, que livro mas engraçado, kkkkkk adoreii sua resenha, nunca tinha ouvido falar desse livro, e ele realmente parece muito bom o/
    acervo-de-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir

Seu comentário nos deixará extremamente feliz, mas lembre-se: Tenha cuidado, as palavras tem poder.

- Não faça ofensas
- Não seja intolerante
- Não desrespeite a opinião alheia
- Se for divulgar, ao menos comente sobre o blog!

Não se esqueça de no final deixar o link do seu blog pra podermos retribuir, será um prazer.

Obrigada ♥
xoxo